Língua em framboesa. Você sabe o que é?

Olá mamães!!!

Faz tempo que não apareço por aqui!! Estava tudo muito corrido com a organização do Projeto Deixa ser Criança. Em breve vai ter post com todas as fotos profissionais desse dia lindo, maravilhoso, cheio de solidariedade e amor ao próximo que foi o dia de ontem (22/11).

Nesse meio tempo também tive a festinha do Murilo de 2 anos para organizar (handmade party), mamãe aqui fez tudo, minha vida profissional e casa para cuidar. UFA! Quanta coisa! Mas agora estou aqui para informar vocês sobre uma doença que tem surgido novamente depois de muitos anos de remissão. Uma amiga no trabalho contou que seu sobrinho apresentou a doença e eu vim contar para vocês do que se trata.

_________________________________________________________________

Você sabe o que é ESCARLATINA ?
A escarlatina é uma doença infecciosa aguda, causada por uma bactéria chamada estreptococo beta
hemolítico do grupo A (complicado né?! Mas vamos explicar o que é mamãe). 

Os estreptococos são, também, agentes causadores de infecções da garganta (amigdalites) e da pele (impetigo, erisipela). O aparecimento da escarlatina não depende de uma ação direta do estreptococo, mas de uma reação de hipersensibilidade (alergia) às substâncias que a bactéria produz (toxinas). 
A escarlatina é uma doença que afeta principalmente crianças em idade escolar.  É contagiosa e a transmissão ocorre de pessoa para pessoa, através de gotículas de saliva ou secreções infectadas, provenientes de doentes ou de portadores que são aquelas pessoas saudáveis que transportam a bactéria na garganta ou no nariz sem apresentarem sintomas.
O período de incubação, ou seja, o tempo entre o contato com o estreptococo (com alguém doente ou simplesmente portador) é de aproximadamente 2-4 dias, podendo, no entanto, variar até 7 dias.
 A escarlatina é uma doença em que aparecem associadas uma infecção na garganta, febre e uma erupção típica na pele.
Tem início SÚBITO com:
  • febre alta (que diminui progressivamente)
  • mal estar, dores de garganta,
  • por vezes vômitos,
  • dor de barriga e
  • prostração
  • Erupção na pele (por volta do segundo dia predominando no pescoço e tronco, progredindo em direção à face e membros)

As manchas são bem características. São pequenas manchas do tamanho de uma cabeça de alfinete, cor vermelho vivo e que são mais intensas na face, nas axilas e nas virilhas.

Estas alterações atingem também a língua, que se apresenta branca e saburrosa no início, ficando depois com aspecto de FRAMBOESA, devido ao aumento das papilas.

COMPLICAÇÕES

Subdivididas em:
  • PRECOCES (durante a fase aguda da doença):

As complicações na fase aguda da doença resultam da disseminação da infecção estreptocócica a outros locais do organismo, causando, por exemplo, otite, sinusite, laringite, meningite, etc

  • TARDIAS (após o desaparecimento da doença)

Pode ocorrer febre reumática (lesão das válvulas do coração) e a glomerulonefrite (lesão do rim que pode evoluir para insuficiência renal). Estas complicações são potencialmente graves e para diminuir a sua ocorrência é importante o tratamento adequado das infecções estreptocócicas.

DIAGNÓSTICO
Nesse período que estamos chegando próximo do verão, onde casos de dengue começam a surgir, a avaliação clínica (associação de febre, inflamação da garganta e erupção puntiforme de cor vermelho vivo e de distribuição típica) deve ser confirmado através da pesquisa do estreptococo num esfregaço colhido por swab (cotonete próprio para uso laboratorial) da garganta.
A confirmação da doença também pode ser feita após a remissão da doença através de exames de sangue (testes sorológicos).

E agora mamãe ?! Como cuidar do bebê ou da criança com Escarlatina ?

Caso nossos pequenos peguem a doença, eles NÃO DEVEM ir à escola para evitar contaminar outras crianças,  repouso e que evitem o contato com outras crianças.

Assim que os primeiros sintomas surgem, e você desconfiar de escarlatina, leve-o (a) ao médico para iniciar o tratamento e, após 24 horas do seu inicio a criança já pode sair de casa e ir à escola pois a doença não é mais contagiosa.

Outros cuidados importantes para controlar o contagio da doença, assim como de outras doenças é lavar regularmente as mãos da criança, as suas roupas com água quente e sabão separado das outras, desinfetar com álcool os seus objetos e não partilhar utensílios de alimentação.

Tratamento

O tratamento da Escarlatina é feito com antibióticos como a Penicilina, Azitromicina ou Amoxicilina, que vão eliminar a bactéria que causa a doença do corpo.

Porém, se for alérgico à Penicilina, o tratamento geralmente é feito usando o antibiótico Eritromicina para garantir que não surgem reações de alergia.

Geralmente, o tratamento durante entre 7 a 10 dias, porém após a 2ª dose do remédio é esperado que os sintomas aliviem ou desapareçam.

A escarlatina embora seja mais comum em crianças, também pode afetar adultos, podendo surgir até um máximo de 3 vezes na vida, pois existem 3 formas diferentes da bactéria que causam esta doença.

Um beijo!!!

Fontes:

Alergias respiratórias

Olá mamães! Tudo bem ?

Dia 27 de Outubro fui convidada por Dr. Jamal Azzam para um almoço muito gostoso aqui em São Paulo onde ele nos deu uma palestra sobre os cuidados respiratórios com nossos pequenos.

Eu, Juliana, como fisioterapeuta também quero passar um pouquinho de informação a respeito das alergias respiratórias para vocês.

______________________________________________________________

Que a rinite alérgica é uma situação extremamente comum e altamente incomodativa todos sabemos, e ela pode ocorrer por problemas ambientais (ácaros, pó doméstico, umidade [mofo], fumaças, mudanças clímáticas, tempo seco e mais dificilmente pólen), mas também por fatores hereditários.

Todos esses estímulos causam a hiper reatividade da via aérea, causando a liberação exagerada de histamina, que causa os espirros constantes, coceira, congestão nasal e coriza.

rinite

Existem alguns tipos de rinite além da alérgica, são elas:

  1. Rinite vasomotora: causada por alterações anormais no movimento dos vasos sanguíneos das conchas nasais, que quando estão dilatados levam ao aumento do volume das conchas nasais e consequente entupimento do nariz. Procurar um otorrino é fundamental para o correto diagnóstico e tratamento, por vezes, cirúrgico.
  2. Rinite medicamentosa: causada pelo uso excessivo que vasoconstritores tópicos, aquelas “gotinhas para desentupir”, que causam efeito rebote.
  3. Rinite gestacional: o aumento da circulação sanguínea na mucosa nasal pelo efeito da progesterona sobre a musculatura lisa dos vasos sanguíneos, ocasionando um relaxamento muscular e posterior congestão nasal.
  4. Rinite do bebê: causada por uma reação alérgica à poeira ou algum outro fator que deve ser investigado pelo médico. Por causa do nariz “entupido” a criança apresenta dificuldade de alimentar-se e alteração do sono.

Devemos procurar um médico para evitar as complicações de uma rinite não tratada, como a crise asmática e as infecções secundárias dos seios da face e das vias respiratórias superiores.

A sinusite é a inflamação dos seios (sinus) da face, que são cavidades ósseas  (maxilar, etmoidal, frontal e esfenoidal). A sinusite pode ser uma complicação da rinite alérgica, resfriado, desvios de septo, traumas de crânio e tratamentos odontológicos. Os sintomas podem aparecer como congestão nasal prolongada, dores de cabeça e na face, febre e secreção nasal abundante.

Uma sinusite não tratada pode levar à sérias complicações, como: meningite, abcesso cerebral ou periorbitário e sinusite crônica.

Um resfriado pode virar sinusite?

Sim! Tudo depende do estado do organismo individual de cada um.

Hidratação adequada, repouso, não oferecer estímulos negativos (cigarro, mudanças de temperatura, estresse). Ela é considerada aguda quando dura 4 semanas ou menos, subaguda quando dura de 4 a 11 semanas e crônica quando permanece por 12 semanas ou mais.

Tratamento:

Deve ser indicado por um otorrinolaringologista, mas algumas dicas podem ajudar:

  • Ingerir bastante água para manter a hidratação das mucosas
  • Nebulização com soro fisiológico a 0,9%
  • Higiene nasal com soro fisiológico
  • Retirar o possível fator desencadeante da alergia

Fontes:

Livro – Ouvidos, Nariz e Garganta: Cuidados e Curiosidades – Jamal Azzam

http://www.moreirajr.com.br